A Reforma e os Perseguidores

Categories: Estudos e Ministrações

Ed 3.1

1. Pensando em Reforma…

É inevitável lembra-se de Esdras, Reformador… ao “lado” de seus contemporâneos Neemias, Zacarias e Ageu [lembrou de Ester também?] e muitos outros que estavam ali cumprindo seu chamado como profetas, levitas, sacerdotes ou adoradores que amavam a presença de Deus.

Apenas alguns anos os separavam uns dos outros.

Toda Reforma, pensando biblicamente, nos lembra construção, pedreiros, ajudantes, pintores, muito barro, cimento, pedras e aqueles que criticam como você está fazendo ou como deveria ter sido feito.

Afinal, é uma Reforma.

Estamos em dias assim, onde Deus restabelece sua Casa. Através de mais uma Reforma. Dizem que é a última.

A Reforma atual que estamos passando [aliás, construindo] é para a tomada de territórios antes roubados pelo diabo: econômico, político, empresarial, ministerial, cultural, etc.

O motivo desta palavra é lembrar-lhe que a Reforma dá um “clima” de tudo novo, porém é agora que nascem os piores perseguidores, inimigos.

Como lemos, a primeira fase de uma Reforma é a tarefa de Reerguer o Altar de holocausto.

O Senhor nos chama de Templo do Espírito Santo.

Este Deus desce sobre holocaustos, sacrifícios, nos Templos. Então Ele vai descer sobre nós com poder e fluirá o Espírito dentro de nós.

Reformar nosso coração é a primeira etapa que faremos. Mudar nossas atitudes. É hora de converter-se de verdade.

Será que Jesus faria isso? É uma boa pergunta a se fazer antes de tomar qualquer decisão.

E é exatamente agora que nossos perseguidores surgirão. Quando tomamos decisões desse nível. Por que antes não o fazíamos, mas agora sim.

Viveremos agora observados por uma nuvem de testemunhas. (Hb 12.1 e 2).

Jesus mesmo alertou certa vez sobre esses observadores de construções: Lc 14.25-30

O Reino de Deus é como uma construção e todos nos observam.

2. Comentários e Tópicos

Nossos perseguidores estão, basicamente, distribuídos em três grupos: Os Valentes, Os Financiados e Os Questionadores.

a. Os Valentes

Estes vêm primeiro.

Usam força bruta. Seu lema: Custe o que custar.

São Principados.

Matadores de presentes (dons), projetos e ministérios.

 

Mt 2.1-8

Este é o relato da primeira perseguição que Cristo sofreu.

Herodes cumpriu esse papel. Era um príncipe na terra e tentou matar Jesus ainda recém-nascido.

Como todo perseguidor, eles nunca dizem “sou seu perseguidor, seu inimigo”.

Herodes, para encontrar Jesus, usou a desculpa que queria adorá-lo  também. (2. 16-18).

Não o encontrando manda matar todos os recém-nascidos das redondezas. Utilizou-se de força bruta.

O destino deste é a morte (2.20)

Porém, eles não são tão perigosos porque são de fácil identificação. Mas são perversos.

b. Os Financiados

Ed 4.1-4

Estes tentam nos desanimar.

São maus conselheiros ou mesmo nossa carne desanimadora.

Eles agem como se fossem nossos amigos. Até mesmo oferecem seus serviços, mas foram enviados afim de nos desanimar. CUIDADO!

São inimigos que devemos temer.

V. 1 – São adversários.

São mesmo piores que o primeiro estágio por que agem silenciosamente.

Enquanto carregam pedras conosco, todos os dias tentam nos desanimar dizendo:

Será que vai dar certo?

Será que é de Deus?

Quanto tempo isso vai demorar?

Por causa desse desânimo, os filhos de Israel pararam a construção por 50 anos.

c. Os Questionadores

Ed 5.1-5

Estes tentam nos fazer parar para pensar.

E parar em plena construção é prejuízo para o Reino.

Representam um nível de ataque para bloquear nossas atitudes.

Quantas pessoas não estão paradas, mesmo depois de ter-se convertido? Até foram ao encontro, mas não entraram na Escola de Líderes, não têm células?

Hoje é o dia de sua libertação.

Estes perseguidores são de uma classe alta, pois representam aqueles demônios que voltam com mais sete.

Observe que estes se apresentaram através de Tatenai, Setar-Bosenai e mais seus companheiros.

O príncipe era somente Tatenai, governador dalém do Eufrates, mas se apresentou com mais companheiros.

A respeito disso Jesus nos alertou em Lc 11.24-26.

É a última tentativa do nosso adversário de nos parar.

Eles pegam apenas os desprevenidos.

3. Conclusão

Para os Judeus a oposição era algo sério e a história que encontramos hoje lhe dá destaque.

Se você estiver incerto sobre a verdade do cristianismo, por favor, ouça esse conselho: Não tente determinar o que é verdade pelo que é popular.

Nem sempre o nosso sucesso secular é encarado como sucesso aos olhos de Deus, assim como nosso fracasso pode não ser um fracasso aos olhos do Todo Poderoso.

Por isso é tão difícil encarar, como homens que somos, nossa derrotas e perseguições.

Somos seguidores de um Cristo que foi Perseguido e Crucificado!

Nossos interesses estão, na maioria das vezes, em desacordo com os Compromissos do Senhor.

Lembre disso: Ele veio e viveu entre nós, e nós o matamos. Nós o crucificamos.

Como podemos então determinar o que é popular como se fosse verdade? E essa é a tarefa dos perseguidores que se fazem de amigos e tentam nos fazer pensar que ser cristão é a pior decisão que alguém pode tomar.

Todo cristão enfrenta perseguições, mas basta para um pouco e refletir sobre a história do povo no livro de Esdras. Tenha coragem!

Eles conseguiram e concluíram a construção do Templo.

O próprio Ap. Paulo disse à seu discípulo Timóteo: “Todos os que querem viver em Cristo padecerão perseguições.” (2 Tm 3.12).

De onde Paulo tirou essa idéia? Será que era apenas um paranóico?

Não, ele tirou essa idéia de Jesus: “Se a mim me perseguiram, também vos perseguirão a vós.” (Jo 15.20).

Sei que para muitos de nós essa palavra pode parecer estranha, mas não é aos nosso irmãos cristãos na África, em especial, da Nigéria e do Sudão. E também não soa irreal aos milhares que foram mortos na Indonésia por confessar sua fé cristã.

Encare isso como encorajamento. Eles conseguiram terminar o Templo.

Em todos os lugares enfrentamos oposição.

Lembre-se: A oposição nunca será bem-sucedida.

Como nós conseguimos? Por que a mão poderosa de Deus se move de forma soberana.

4. Oremos

Repreendemos em nome de Jesus o principado que usou Herodes, os Adversários financiados e Tatenai.

Nos tornamos livres agora pelo Sangue de Jesus.

Oh, Deus, oramos para que o Senhor crucifique nosso egoísmo na cruz do seu amor.

Oramos para que o Senhor, em seu amor, torne-nos humildes.

Oramos para que ponha sua Palavra no fundo do nosso coração e cure-nos.

Faça sua obra em nosso coração por causa de Jesus e para Sua Glória por meio de seu povo.

Amém.

(*) Consulte as fontes com o autor do texto. [email protected]

Author: eklesia

Deixe uma resposta